Google+ Followers

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

domingo, 27 de setembro de 2009

Erotíssima e a nova mulher de sessenta


Maria J Fortuna

Estamos num novo tempo, para nós, mulheres de sessenta! Se antes desta idade, aos cinquenta, a gente investisse num novo romance, ou falasse e escrevesse algo “apimentado”, fatalmente seríamos chamadas de “velhas assanhadas”. Mas, agora,estamos nos sentindo mais confortáveis para soltar a sensualidade como flores vivas ao longo do caminho. Pelo menos, para algumas mulheres corajosas da chamada “terceira idade”, prefiro chamar de renascimento da mulher sessentona!
Nestes novos tempos, um erotismo maduro, sem apelações, forjado pelos anos de experiência e fantasia, deixa-se mostrar de forma espontânea, poética e requintada, através de pinturas, esculturas e poemas, como os de Clevane que se nega a ficar invisível por causa da idade.
Estou entusiasmadíssima com o lançamento desta sua nova obra! A autora canta a beleza, em ricos e refinados poemas, na linguagem universal do erotismo feminino, que não tem idade. Não resisto à tentação de colocar aqui uma amostra de um dos seus poemas, em que homenageia a poetisa Yeda Schmalt, que igualmente escrevia poesias eróticas de muito bom gosto:
Calcinhas para tirar:

Depois de passar um bom tempo
Escolhendo, com apaixonado olhar
a prever delírios, calcinhas rendadas
vermelhas, cavadas, sensuais e sedosas
depois perfumadas com água de rosa
percebo que aparece uma bela borboleta
para cobrir a rosa da espécie“Príncipe Negro”
onde o vermelho é muito escuro
e seu botão bem mais rosado
Essa coberta leve e ousada
vestida apenas para ser tirada
é uma estratégia feminina
para a guerra de “huns” e “ais”
que acontece entre lençóis
No tálamo.

Erotíssima, esta deliciosa obra que foi lançada na Bienal do Livro, este mês, no Rio de Janeiro – RJ, vem com formato livro de bolso, ótimo para ser mostrado, a quem ainda não conhece.
Clevane é psicóloga, jornalista, escritora de muitos títulos e prêmios. Recebeu no Festival de Inverno de Ouro Preto e Mariana, primeiro lugar de Poesia e o Troféu aBrace (Uruguai/Brasil) de 2008 e nos XXIII Jogos Floroais de Algarve – Portugal, ganhou primeiro lugar com sua crônica Contraponto

domingo, 20 de setembro de 2009

Imaturidade


Maria J Fortuna
Eu estava próximo à seção de brinquedos, numa loja em Belo Horizonte, quando ouvi uma jovem mãe quase gritando com seu filho, que aparentava uns cinco anos:
- Como você quer este jogo se não tem idade para brincar com ele?
O menino berrava, gritava, fazendo a maior birra! A mãe sapecou-lhe uma palmada e ele foi se aquietando... Até que pegou outro brinquedo, que a mãe novamente tomou, por ser inapropriado para ele, e o que aconteceu? A criança acabou deixando-o cair e, inadvertidamente, pisou no carrinho amarelo espatifando-o todo! Fiquei pensando... Somos um pouco como aquele garoto, frente ao Criador. Apesar de Ele ter desenrolado a vida no planeta em seu tempo, muitos de nós somos ainda seres com barro mole, sem maturidade para nos autogerir com propriedade. Não tenho dúvida de que o processo, para nós vagaroso, na evolução da espécie, é o grande responsável. O fato é que fazemos birra para obter o que não estamos ainda preparados para usufruir. Pisamos no que de bom recebemos e atiramos fora , continuamente. Por não saber receber, estamos despreparados para dar. Não fosse a honrosa galeria de homens e mulheres centrados, conscientes e despertos, que outrora caminharam e outros que ainda caminham no planeta, eu diria que somos todos analfabetos do código divino – tanto da lei como da graça. Isto porque ainda nem sequer conseguimos amar a nós mesmos. A destruição do meio ambiente está aí para mostrar o grau de imaturidade do ser humano confuso em sua própria natureza , quer física, na indefinição do esquema corporal e da sexualidade, como do ponto de vista social e espiritual. E o desrespeito à diversidade e ao estágio evolutivo do outro.
Vejamos a política no Brasil e em alguns outros países. Aquilo que deveria ser o exercício do altruísmo é transformado num desastre total! A maioria dessas pessoas que o país elege está ainda na fase anal freudiana do querer reter o poder para si. São mentirosos, farsantes, aproveitadores. Os senhores bigodudos , calvos ou grisalhos, tiram dos cidadãos o que lhes é devido, não lhes devolvendo em benefício de outros grupos humanos. Não passaram a fase egoísta infantil, colecionando bens e tratando o patrimônio público como se fosse seu.
O nível de agressividade convertido em perversidade é uma coisa tão brutal que escondemos de nossa memória, para suportar.A bem da verdade nem chegamos ainda ao adolescer da consciência. A maioria de nós é pré-adolescente emocional. Temos religiões paternalistas e o não hábito de encontrar o divino dentro de nós mesmos, através da coerência, que dá fruto de altruísmo e caminha para o amor maior.
Tenho medo que, com o impressionante avanço da tecnologia em nosso lento caminhar evolutivo de nossas consciências, a espécie não consiga sobreviver. Tudo por causa de nossa absurda imaturidade!

Nos subterfugios do inconsciente feminino


Para ampliar clique na figura

domingo, 13 de setembro de 2009

Querer por inteiro



Foto da Galeria do Armando

Maria J Fortuna


Na novela das oito o sacerdote brâmane Shankar diz a seu filho que se quiser o amor de Maya terá que querer por inteiro. Isto me fez refletir muito a cerca da verdade que existe em nós. Querer por inteiro, seja o bem ou o mau, é a expressão lógica de inteireza dos sentimentos. Se me sinto dividida como poderei querer algo em sua totalidade? Quantos quereres não se concretizam por falta de apoio em nosso centro? Talvez por nos encontrar despedaçados, alquebrados, descoloridos. Como posso, assim, ter êxito nas minhas escolhas? Fácil por a culpa na vontade de Deus ou num implacável destino. São poucas as vezes que o querer, associado à determinação, concretiza nossos sonhos e nos faz caminhar em direção aos nossos objetivos. Por que nos parece tão perigoso este querer redondo que pode partir para a vertical ou horizontal no traçado de nossas vidas?
Refleti em quanta sabotagem fazemos conosco mesmos para impedir que aquilo que queremos (pela metade), logicamente, não se concretize. Por que? Esta é a pergunta que me fiz, recapitulando meus anos de vida e avaliando as vezes que me neguei aos apelos do coração. Passando, inclusive, por cima da intuição de que aquela escolha seria acertada. Parti muito meu querer como se parte um biscoito.
Por que viver momentos áridos se desejando a chuva, mas não querendo que ela aconteça pela possibilidade de vê-la transformar-se em tempestade? De onde sai o medo que não nos permite o batismo de novas e saudáveis escolhas? Por que, afinal, não querer de forma plena? Seria falta da consciência de que tudo é perene e o tempo não espera para amadurecer e deixar cair o fruto não comido? O vinho não degustado?
Onde está o Graal por quem o rei Arthur tanto lutou, com seus cavaleiros da Távora Redonda? O que nos despedaçou, como se o amor humano fosse feito de vidro, sem chance de se renovar? Até onde nos deixamos influenciar pelo medo do tombo ou do raio quando caminhamos sobre nossos pés?
Quando, finalmente, chegaremos a querer de forma plena, o encontro da dama com seu cavaleiro dentro de nós e, juntos, deixar que o cálice seja sorvido na caverna que representa o coração humano?
Depois de larga reflexão, ficou claro para mim que, na maioria das vezes, apenas desejamos, não queremos. Querer por inteiro é muito perigoso.

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Ó Minas Gerais!

Maria J Fortuna

Cheguei a Belo Horizonte num dia em que o céu chorava que dava dó! Tinha como referência uma frase muito citada para definir os mineiros: eles são desconfiados! Quem me conhecia dizia que eu não iria me acostumar jamais com aquele povo muito diferente do carioca e do nordestino. E eu sou “maranhoca” (mistura de maranhense com carioca). Mas não foi assim... A chuva da solidão foi passando de mansinho quando conheci o espírito mineiro, que alguns chamam de mineiridade. Um jeito gostoso de se aproximar e dialogar, e vontade de ajudar, no que pode. Diante de alguém em dificuldade fala: Ô dó!... Mas não no sentido pejorativo que coloca as pessoas debaixo do chinelo, mas como sinalização, um SOS, a ser atendido. Bem, comigo foi assim.
Aquele acolhimento lambeu muito das minhas feridas. Eu estava só, numa época difícil e ameaçadora, com apenas uma carta para certo Padre Agnaldo arranjar-me emprego. Fui morar em quarto alugado, no Prado, um bairro bem familiar, cheio de ladeiras, igual a tantas das ruas daquela cidade. Namorei um rapaz, tocador de violão, que me fazia serenatas, e convivi com inúmeros mineiros na minha faixa etária, que vinham do interior estudar ou trabalhar na Capital. O pessoal de outras cidades era muito especial! Dependendo da região, o sotaque é muito peculiar! Se forem do sul, o “r” é quase que engolido, e os que vem do norte de Minas, o sotaque é mais parecido com os viventes do nordeste deste imenso país. Mas aqueles foram meus companheiros de juventude! Tempo brabo de ditadura militar, quando vi muitos mineiros arriscando a própria vida para esconder um companheiro.
Morei em república, pensionato, porão, barracão, casa, apartamento, quarto em casa de família, o escambau! Mas sempre com uma presença mineira gostosa, cooperadora, amiga enfim.
Com o tempo, quando me dei melhor profissionalmente, viajei por inúmeras cidades de Minas e sempre encontrei um queijo fresquinho, com cafezinho. Além da rosca, broa de fubá, pão de queijo, etc
Com meu jeito nordestino acariocado, aprendi com o mineiro, a aprimorar mais o bom senso, ser mais discreta, moderada, escutar mais do que falar. O mineiro pode ter jeito de matuto, mas é um sábio em potencial. Foi lá que aprendi a ter respeito pelo meu suado dinheirinho. Afinal, nunca o mineiro revela sua poupança e, com o tempo, a gente se surpreende de como emprega bem suas economias. Aprendi a me divertir, sem me arreganhar. Proteger meus sentimentos e os do amigo, que não é trocado por um simples conhecido.
Esta terra montanhosa, cheia de cachoeiras mata adentro, tem cheiro de pureza, simplicidade e valentia. Muito raro encontrar um mineiro mal humorado. Quando contamos piadas, observa-nos com ar de seriedade, como se não estivesse fazendo parte da brincadeira e, de repente, você se surpreende com uma tirada que deixa você morto de rir! Pode até brigar, imprensar o amigo no cantão, mas depois que vomita sua mágoa, enche-se, novamente, de amor. Haja vista, quarenta anos de encontro com minhas amigas mineiras para um bate papo e um chopinho, ao som de música ao vivo, quando vou às Alterosas! Trabalhamos juntas no Hospital Júlia Kubistchek, no fim da década de 60. Duas já se foram. Ficamos quatro. Mas o encontro é religioso, quando comemoramos os aniversários dos três últimos meses, com fotos, presentinhos e tudo o mais.
E como há poesia e serenata pelas terras de Minas! Como cantam, festejam e escrevem tão bem! De Itabira saiu Drummond, de Divinópolis, Adélia Prado e muitos outros naqueles rincões!
Seja em Belo Horizonte, Ouro Preto, Mariana, Poços de Caldas, Pedra Azul, Montes Claros, etc, mineiro tem o traço inconfundível do acolhimento e hospitalidade.
Adoro quando ouço aquelas frases cheias de palavras pronunciadas, pela metade juntando tudo, como “procê vê”, “gosto docê”, “ô trem!”. É música para meus ouvidos!
Já que Minas me adotou pra valer por trinta e sete anos, introjetei muito do jeito especial de ser daquele povo! Procê vê, sou também um bocado mineira, uai!

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Peça recomendada


"As meninas"

Casa de Cultura Laura Alvim. Texto: Maitê Proença e Luiz Carlos Góes. Direção: Amir Haddad. Com Vanessa Gerbelli, Analu Prestes e outros.

Em meio a uma série de dúvidas e observações típicas da infância, duas meninas assistem ao velório da mãe de uma delas.

Conseguir colocar humor na temida morte de todos nós, ainda mais marcada por uma tragédia, é façanha que me deixou pasma! Adorei este espetáculo tão especial e criativo cheio de humor e ternura, com excelente elenco, ótima iluminação e figurino! Os atores estão maravilhosos! Parabéns mesmo!
Recomendo muitíssimo!
Av. Vieira Souto 176, Ipanema - 2332-2015. Qui a sáb, às 21h. Dom, às 20h. R$ 40. Até 20 de setembro.

A poesia de Cecília em frase da semana

"Eu canto porque o instante existe e a minha vida está completa. Não sou alegre nem triste:sou poeta."

Cecilia Meireles

Quem sou eu

Minha foto
Sou alguem preocupado em crescer.

Arquivo do blog

Páginas

Postagens populares