Google+ Followers

sexta-feira, 20 de março de 2015

Padres cantores





 Padres cantores



Maria  Fortuna


                 Sempre fui muito sensível à fragilidade humana e animal diante da ignorância existente em nosso planeta, entregue á  violência! Sempre fui contra guerras e touradas. Imagine a pessoa que se expõe por algum motivo superior - amor ou coerência – ou mesmo por vontade de usar seu potencial, neste mundo cheio de conflitos...  Faz tempo um padre apareceu então, numa mídia onde centenas de pessoas estão ligadas à tela de uma TV,  dizendo-se cantor. Foi o primeiro deles.    Era como um pássaro de plumagem de cores, não muito diferente dos demais, mas lhe pesava e pesa até hoje a palavra padre.  Mesmo assim, o moço  teve e tem  coragem de se expor.  Por isso era e é muitas vezes agredido pelos que não conseguem ou não admitem que ele concilie as duas funções: sacerdote e cantor.  O que ousa viver em coerência com sua verdade interior e escolhe dois caminhos aparentemente antagônicos,  paga uma enormidade de preço, porque o mundo julga e sentencia o tempo todo. E como se não bastasse, o sentenciado recebe um rótulo. Com o tempo apareceram então outros padres cantores.
                  O julgamento sistemático torna a má ou boa ação de alguém  como parte do seu caráter para sempre, sem chance de mudança. Isto é, aquele que comete um deslize, é o deslize, não adiantam argumentos nem expectativa do contrário.  E as pessoas que aparecem no cenário das mídias, como rádio e TV, são julgadas pelo estereótipo que apresentam naquele instante e são congeladas a partir daí em um determinado conceito ou preconceito: na presente questão o fato de serem padres. Essas pessoas são lidas e classificadas por  sua  categoria ou condição: sacerdotes.
                   É certo que aquele que não conseguiu convencer o público numa novela, torna-se para a mídia, péssimo ator ou atriz para sempre. O que não se deu bem quando cantou em algum programa, será sempre o desafinado(a). Neste cenário padres cantores  não escapam  á isso.  Serão sempre padres. Daí o publico fã sempre releva erros dos que são aceitos.
                 Durante muito tempo acreditei que o ser humano era racional. Ledo engano! Quem me falou a respeito, de forma inteligente, foi um antropólogo e médico com quem fiz terapia há anos atrás, a quem sou muito grata até hoje: Dr. Ely Bonini Garcia. Dizia ele que o homem não é racional, mas um ser que se compara todo tempo com outro, achando-se daí melhor ou pior do que aquele. 
              Dependendo da autoestima de cada um, o julgamento pode favorecer ou não a questionamentos. Amar ao próximo como a si mesmo, como diz o Cristo, é, a meu ver,  a verdadeira justiça. Mas devido à baixa de autoestima, a percepção da maioria dessas pessoas é prejudicada por um julgamento emocional, carregado pela sua indisposição frente aos que costumam “se dar bem”, no bom sentido. Aliás, já ouvi dizer que os padres procuram exatamente isto: se dar bem.  Fora que correm o risco de serem julgados como pedófilos como, infelizmente, algumas ovelhas negras do rebanho.  Falam também que padre não precisa se exibir para ganhar dinheiro, e por aí vai... 
                Faz tempo, assisti a um  programa de Marília Gabriela, na GNT, onde o entrevistado foi o padre Fábio de Mello. Qualquer entrevista assistida por pessoas que se apressam a julgar e catalogar, iria mudar alguma coisa? Houve ou há algum interesse em ouvi-lo? Adivinhem... Claro que não! Salvo algumas pessoas que sabem refletir e têm o coração aberto, a maioria das pessoas adoram detonar até o fim seus bodes expiatórios sem ao menos  lhes saber o nome ou o que querem na vida. Sem nunca ter-lhes olhado nos olhos ou ouvido o que têm a dizer.  Podem representar  o que eu desejaria tanto ser: no caso aquela força e coragem, por exemplo...  Com isso as suposições perversas com certeza, irão continuar. Assim será para com todos os que forem chegando, depois deles.  
                   Há o outro lado... Excessiva aprovação ou empolgação torna os padres ainda mais vulneráveis. Como Padre Fábio disse naquela entrevista, o perigo nesse caso se torna maior!  Uma vez, se por algum motivo a pessoa se vê traída na sua expectativa de que aquele cantor não se trata de um astro santo, mas alguém que realiza um talento que traz de berço: escrever, compor e cantar sua criação. Já houve entre as macacas de auditório, até ameaça de morte, porque o padre não lhes deu “atenção” que queriam... Disse Fabio de Melo em sua entrevista.  Quem sabe, tenha sido um dos  motivos que desencadeou a depressão do padre Marcelo Rossi?  
                   De qualquer maneira os padres cantores estão tendo algum sucesso, pelo menos entre os católicos, com muitos CDs e DVDs vendidos. Com suas vozes melodiosas, vão seguindo seu caminho de evangelização, como acreditam ser, através das suas canções bonitas, como a dos evangélicos,  que atraem grande publico, mesmo o  dos não crentes.  Maltratados pela mídia, invadidos em sua privacidade, cantam e cantam... E eu fico aqui pensando que é inútil detê-los. Sentiram ser outro caminho para os corações dos que tem fé, apesar de todos os riscos. Foi isto que escolheram. E também o mais importante é o efeito primário do sucesso: muitas creches, asilos e comunidades beneficiadas.
https://ssl.gstatic.com/ui/v1/icons/mail/images/cleardot.gif


4 comentários:

MJFortuna disse...


Por e-mail, de minha leitora assídua que não me permite citar o nome:

Sua MARIA VELHA, Vovó das Nuvens, cheirando a jasmim e canela, com seus dois dentes e sua contemplação das Nuvens - ,me enterneceu.
Linda a crônica!

A cada dia, seus escritos vão ficando mais tocantes, mais bonitos. Mais sensíveis.

Continue cultivando sua criatividade sem limites e brinde seus leitores, com este seu talento transformado em contos encantadores e inesquecíveis!
E, coloque tudo em livro.!

O mundo precisa de sua sensibilidade e de suas estórias!

Fragmentos disse...

Querida Maria!
Texto hiper-sensível, questionamentos profundos! Parabéns! Me fez lembrar do seu maravilhoso presente, que guardo com muito carinho: o livro "Cartas entre Amigos" do Padre Fábio de Melo e Gabriel Chalita. Livro de cabeceira, leitura recomendada a todos!
Um grande abraço, Rosanne

MJFortuna disse...


Eliana Angelica, por e-mail:

Que Beleza, Que Voz linda e suave!
Grata.

eliana

MJFortuna disse...


Eliana Angélica de Sousa
17:26 (Há 23 horas)


Demorei a ler esta sua crônica nova e muito bem dita sobre os Padres Cantores. Você disse tudo. Demorei porque viajei três finais de semana seguidos e então acumulam alguns afazeres pessoais e domésticos.
Ficaram muitos e-mail se passar a vista e só hoje pude dar atenção ao Padre Fábio de Melo que amo de montão!
Muito grata, amiga. Parabéns e uma Páscoa bela, feliz e harmoniosa para você e toda sua família!
Beijo.

eliana

Quem sou eu

Minha foto
Sou alguem preocupado em crescer.

Arquivo do blog

Páginas

Postagens populares