Google+ Followers

segunda-feira, 14 de agosto de 2017


Esta homenagem ao urubu, lembra-me do herói do livro de minha autoria: O pardalzinho desconfiado, cuja a mensagem é desconfiar do falso e dar valor ao que é bom em sua essência!
Lélio Costa da Silva é veterinário. A única coisa que fiquei sabendo a seu respeito. Amei ler o que escreveu sobre essa tão desprezada ave!




O URUBU EM SEU PRÓPRIO DIREITO
Lélio Costa e Silva


As vozes da natureza mandam dizer que não sou eu o símbolo do azar.
Quero continuar a remexer a cabeça nua nas carnes putrefatas, executando a minha tarefa biológica, mas anseio também ser entendido como uma ave super-higiênica, integrante das cadeias alimentares.
Quero continuar a por meus ovos nos buracos e pedras dos morros, mas não desejo ver meus filhotes apedrejados e mau vistos pela espécie humana.
Quero abrir as asas ao sol e voar em espiral com os meus companheiros e mostrar que a minha plumagem pode ter o mesmo esplendor das outras aves irmãs.
Quero dispensar do meu desjejum as carcaças contaminadas pelos venenos acumulados, espalhados pelo ser humano - verdadeiras bombas de efeito retardado, que destroem a mim e a toda vida do planeta.
Quero desconsiderar a vergonha e o constrangimento das pessoas com a minha presença em frente às suas casas - “todo urubu tem que ir onde o lixo está”.
Quero entender essa ecologia urbana, onde o lixo se acumula cada vez mais em lotes, ruas, praças e margens de rios aumentando excessivamente o meu trabalho.
Finalmente, agradeço os adjetivos concedidos à minha espécie: lixeiro da natureza, sarcófago alado, inspetor do lixo, necrófago...
E, em nome de uma possível linguagem universal, deixo aqui o meu último pedido:
- Pelo trabalho dobrado e pelo risco de vida, quero também receber as minhas horas-extras e o meu adicional de insalubridade.



Nenhum comentário:

Quem sou eu

Minha foto
Sou alguem preocupado em crescer.

Arquivo do blog

Páginas

Postagens populares