Google+ Followers

sábado, 3 de julho de 2010

A "penetra"



Maria J Fortuna

Foi no tempo em que as inaugurações e outros eventos, não tinham segurança ou cerimonialista na porta, não exigindo maiores apresentações. Laura era vidrada em salgados e doces. Estava passando por alguns apertos financeiros. Ou seja, tinha que se conformar com a descolorida comida do pensionato onde morava, sem direito a sobremesa, sem frequentar confeitarias. Vinda de uma família mineira sem muita grana, mas tradicional, sempre tinha prato especial na mesa. Podia ser peru com farofa, rosbife com batatas fritas, pato assado, porco à pururuca, feijão tropeiro, vários tipos de suflês,etc E havia também sobremesas saborosas, como manjar de coco, doce de goiaba com queijo e sorvete com biscoitos de nata. Estava farta de arroz, feijão, bife e batata. Pegou mania de frequentar as tais inaugurações em Bancos e casas de comércio, que aconteciam naquela década de 70, em Belo Horizonte. E se deu bem.
A primeira, de que tomei conhecimento, foi quando voltava da aula de inglês na Savassi. De dentro do ônibus, viu um Banco em plena festa de inauguração na Av. João Pinheiro. Desceu do veículo mais que depressa. Subiu as escadas com sua calça jeans acompanhada de uma leve blusinha de seda, traje nada apropriado para o evento. Atravessou a porta do Banco, repleto de pessoas bem vestidas para a ocasião e foi direto para a mesa de comes e bebes. Pensou que não seria bom ficar ali parada, comendo sem parar aqueles deliciosos salgadinhos, e deu uma circulada no ambiente para não dar na pinta. Mas as pessoas estavam tão empolgadas com a celebração, que nem deram bola pra ela que, por sua vez, não estava nem aí para os olhares mais curiosos. De repente, uma moça se aproximou, confundindo-a com alguém que conhecia, e foi logo dando beijinhos em suas bochechas. Laura nem se alterou. Mostrou-se plenamente familiarizada com a figura até então desconhecida. Daí, outras pessoas se aproximaram e começaram um papo alegre com a moça, que àquelas alturas tomava a terceira taça de champagne.
A segunda cerimônia, em que nossa amiga entrou de penetra, foi no Tribunal de Alçada, na posse de três juízes. Ela havia sido enviada pela Firma, para apanhar alguns dados de um cliente quando, na sala ao lado, ouviu o burburinho de festa! Sem pestanejar, seguiu aquele agradável ruído e foi parar numa fila para cumprimentar os recém-empossados. Abraçou todos eles e seguiu o fluxo de pessoas, vestidas a caráter, para a sala ao lado. Nossa! Era felicidade demais! Aquela festa estava acontecendo bem na hora do almoço! Procurou a mesa de salgadinhos deliciosos e dali não saiu até que se fartou. Distribuiu sorrisos e beijinhos para vários convidados, não escondendo sua alegria! No percurso da mesa de salgados para a de doces, os garçons lhe ofereciam vinho ou refrigerante. Tomou “calcinha de nylon”, bebida muito comum na época, que ali, estava sendo preferida pelos cavalheiros. Fartou-se de “olhos de sogra”, “brigadeiros”, “queijadinhas” e outras delicias! Não voltou para o trabalho. Empolgada com a festa pegou um cineminha.
A terceira aconteceu quando ela entrou no elevador de um prédio onde trabalhava , na Rua São Paulo. Assim que o elevador subiu, sentiu o perfume inebriante de uma inauguração acontecendo... Era inauguração de uma sapataria. O ascensorista indagou-lhe se não ia descer no terceiro andar.
- Não. Fui convidada para a Inauguração! Respondeu ela determinada.
- Foi uma maravilha! Contou-me toda alegre. O dono da sapataria estranhou um pouco, mas aí eu lhe disse que estava representando meu grupo de trabalho na inauguração. Afinal somos vizinhos. Ele ficou satisfeitíssimo!
Bem, não vou mais contar outros e mais outros eventos em que Laura “penetrou” e se deu bem. Por ausência de notícias não sei como foram os seguintes.


Um comentário:

Lílian Maial disse...

Muito legal, amiga! Conheço um bando de penetras desde os tempos antigos... Em muitos, é uma arte!
Beijocas

Quem sou eu

Minha foto
Sou alguem preocupado em crescer.

Arquivo do blog

Páginas

Postagens populares