Google+ Followers

terça-feira, 3 de abril de 2012

Os desgarrados

 
Desconheço a autoria da foto
                                                                                                                              

                                                                                                                                     Maria J Fortuna

Eles estão por toda parte -  os desgarrados. Suas almas habitam corpos de diversos tipos de raça: branca, vermelha, amarela, negra. No Brasil são miscigenados. Marcam presença no mundo inteiro. Desconfio que sempre estiveram por aqui. Suas identidades se convergem, apesar de ser muito difícil um encontro de dois deles. Esta é uma de suas maiores dores. A luta é a mesma: o dobro do que é pedido a um ser humano pela sua sobrevivência. Vivem numa espécie de ringue, onde  lutam contra o absurdo de suas próprias existências. Não sabem por que suas almas foram marcadas com o mesmo carimbo: DESGARRADO, que quer dizer desviado do rumo, segundo o Aurélio.
Costumam passar a noite inteira andando pra lá e pra cá como zumbis. Tudo por causa dessas lutas que parecem, aos olhos dos outros,  fantasia, mas dentro deles existe sim e os faz sofrer. Parece que nascem entre o equívoco divino e o mundo que chamamos de real. Exatamente na fronteira entre um e outro, e ali permanecem até o fim, desejando um encontro inesperado que lhes traga conforto em sua dor.  Mas a chance do encontro entre eles é mínima. Desde que todos têm medo de revelar-se à pessoa errada e sofrer triste decepção. O outro pode não ser um desgarrado e rir dele.
Quando criança gosta de ouvir calado o que falam dele e dos outros.  Enxergam e cheiram a falsidade muito cedo, porque são muito ligados à consciência da verdade. E aprendem que expressar-se livremente é perigoso. São quase autistas, mas uns chegam a ser cômicos, para disfarçar seu medo.  Cativam as pessoas para que os deixem em paz, mas sem esperança de que possam ser revelados e compreendidos.  Têm aversão a causar sofrimento aos outros, incluindo animais e plantas.
Há neles ânsia de procurar a vida inteira pela alma quase gêmea, independente de sexo. Pé na realidade, outro na chamada loucura, pode-se notar de cara, que são tímidos. Isto se justifica pelos muitos anos de pressão, para que enxerguem uma realidade que não seja a sua. São frágeis para aguentar os horrores da maledicência, o barulho do ódio e seus ressentimentos. Vergam-se como bambus ao vento, até que passe a tempestade. Ou se protegem como bicho caracol. É sempre muito difícil, para eles, conviver com pessoas agressivas. É mais fácil acostumar-se com os que são comprometidos com alguma causa, sem exageros. Mas sempre estão em busca de uma causa maior.
Afinal por que existem os desgarrados? Faz parte do mistério. Não adianta sondar o Desconhecido. Talvez para provar que a vida é possível para todos, em qualquer circunstância.
Até para aquele que só pode mostrar superação a si mesmo, em sua dor existencial solitária e silenciosa. 
Fora discursos científicos que falam sobre hereditariedade, química hormonal, etc. Penso que, em algum momento, o Criador cansado de sua própria perfeição,  resolveu manifestar-se numa tela surrealista e o desgarrado nasceu! 

Um comentário:

norália disse...

Mariinha, li as suas três últimas crõnicas: muito boas, muito lindas...parabéns à Poeta.
Abraços,
Norália

Quem sou eu

Minha foto
Sou alguem preocupado em crescer.

Arquivo do blog

Páginas

Postagens populares