Google+ Followers

domingo, 15 de abril de 2012

Pirilampos










 Maria J Fortuna


Pirilampos parecem estrelas da Terra. Em criança, um dos meus momentos especiais ao cair da noite, era assistir ao balé desses vaga-lumes transitando pelo jardim que emoldurava nossa casa. Há quanto tempo não vejo esses bichinhos... Como, na rua movimentada e cheia de transito onde moro aqui no Rio de Janeiro?
               Lembrei-me deles, dos pirilampos, quando esta manhã meditava sobre a Luz interior que alimenta nossas vidas. E que só nós mesmos podemos reacender todos os dias.  Pensei muito na escuridão da ignorância onde se processam as guerras e o florescer da sabedoria que nos lança às águas confiantes do Amor.
               Acredito plenamente que a sabedoria vem da simplicidade, do desapego, do verdadeiro encontro nós mesmos. Mas numa sociedade onde é fácil mentir, a coisa se complica. É como se tudo fosse propaganda enganosa, como aparece na TV. Tudo é preparado para vender de um lado e possuir do outro.  Assim, nosso reencontro no dia a dia demora muito acontecer ou talvez nem aconteça.  Crescemos num mundo do falso. Tudo parece estar longe do coração. É como procurar perfume da flor fora da mesma ou querer sentir o orvalho fora da noite que o traz.  E como é fácil perder-se de si mesmo...
Há tempos atrás, ouvi de uma mestra de sufismo, Solange de Marbaix, que havia um sufi chamado Soravardhi, que buscava um mestre. Todo sufi tem um mestre. Mas o jovem não o encontrava, por mais que o procurasse entre os mortais.  Então resolveu, quem sabe, encontra-lo no deserto. Quando estava entregue á meditação, apareceu-lhe um jovem de uma beleza raríssima, com os cabelos brancos de tanta Luz e anunciando-se seu mestre. Era Gabriel, o anjo da humanidade. No que prontamente Soravardhi, encantado, o abraçou. 
 Os sufis costumam procurar no Amor, na Harmonia e na Beleza, o Criador. Soravardhi dizia que os primeiros lampejos de Sua Presença surgiam como pequenas estrelas no véu da noite. Piscavam aqui e ali e a Luz ia aumentando à medida que o coração do fiel se abrasasse no fogo do Amor! Até que se uniam numa só chama que o consumia inteiramente... Então se tornavam UM com o Fogo Divino.
Sinto que estamos por ai mergulhado nessa noite... E que de vez em quando apagamos nossa luz e, quando a acendemos, trombamos com outros corpos celestes que estão também com suas luzes apagadas. Afinal, tratando-se dos seres humanos, temos liberdade para acender ou apagar nossa própria luz.
De vez em quando o lume de alguma estrela clareia a outra que, por algum motivo, tornou-se obscura, embora isso possa fazê-la mergulhar ainda mais na escuridão. Pois que é comum a gente se apegar ao sofrimento.  Mas é um perigo querer impor ao outro os clarões da nossa verdade.  Afinal cada um, em silencio, vive seu tempo de pirilampo.

Nenhum comentário:

Quem sou eu

Minha foto
Sou alguem preocupado em crescer.

Arquivo do blog

Páginas

Postagens populares