Google+ Followers

quarta-feira, 9 de maio de 2012

Poesia de Maria J Fortuna na Antologia l´indiscutable talent des Écrivaines Brésiliennes

 

                                                                                  

  O vestido

Este vestido frio e transparente
Deixa-me exposta aos quatro ventos
E me faz cavalgar os meus desejos
Encima de unicórnio alado
Soltas as estribeiras
Um violino amordaçado
Reprime o som de suas cordas
A velha esmaga o fumo no fundo da boca
E a sereia canta contemplando-se no espelho
Lá longe a garotinha chora a ausência da mãe
E eu completamente nua
Refletindo sobre a dor no meu seio solitário
Fabrico asas de pena para me cobrir
E debulho o milho em perolas noturnas
Cantando uma cantiga de  ninar

Tão nua estou neste vestido!...
Uma voz rabugenta fala
Com jeito de criança envergonhada
- sou mulher e não vi o tempo passar



                                                                                                                                                        

Nenhum comentário:

Quem sou eu

Minha foto
Sou alguem preocupado em crescer.

Arquivo do blog

Páginas

Postagens populares