Google+ Followers

sexta-feira, 8 de junho de 2012

Armaduras

                                                                                                                                            


                                                                                                                                                Maria J Fortuna



                    Faz tempo  em que assisti à peça Escuta Zé Ninguém. Foi na década de 70 com Marilena Ansaldi, dançando e fazendo o papel do Zé, aquele que vivia preso e estressado dentro de sua couraça frente à sociedade.  A peça, baseada nas teorias de Willian Reich sobre as couraças que a gente veste, para se proteger internamente no dia a dia, diz muito do Zé que trazemos dentro da gente e que se perde no enorme fluxo das massas. O oprimido, que não ousa desafiar a tentação do consumo capitalista e das novas crenças que aparecem a todo o momento. Zé Ninguém é engolido no anonimato, junto ao povão, seja por medo ou baixa de autoestima.  Apesar da aridez do assunto, houve espaço na peça para a poesia e reflexão. Desde aquela época, eu me encantei pelas teorias de Willian Reich e a descoberta desses “anéis de tensão”, que tanto maltratam o corpo e, sobretudo, a alma. Em outras palavras Reich fez um longo estudo sobre nossas armaduras.
                    Caminhar com esse tipo de proteção não é fácil. Nada tem a ver com máscara, mas não deixa de ser uma forma dolorosamente dissimulada de ocupar espaço no mundo. Apesar de pesadas e medievais, às vezes são encobertas por sutilezas. E quanto mais sutis, mais perigosas. Conheço algumas pessoas que, ao abraçá-las, sinto como se elas estivessem dentro de uma indumentária de ferro.  Um tipo de autoconstrução, que enrijece os músculos e tolhe a liberdade dos movimentos e que é inteiramente ilusório e inútil!  Muitas vezes quando percebemos essa vestidura - denso legado – torna-se tarde demais! Mas ela existe e seria falso dizer que não a vestimos  quando temos que enfrentar alguém  que nos odeia ou despreza.
Num soneto, Antônio Feijó, poeta português, por volta de 1917 escreveu:

Desenganos, traições, combates, sofrimentos,
Numa vida já longa acumulados, vão
Como um paul* contínuos sedimentos
Pouco a pouco envolvendo em cinzas o coração.

E a cinza com o tempo atinge uma espessura
Que nem os mais cruéis desesperos abalam;
É como tenebrosa impávida armadura
                 Ou couraça de bronze em que os golpes resvalam.                   

                    A armadura ou couraça, para ele, é feita de cinzas que envolvem o coração. E cinza quer dizer passado...  Essa inútil barreira, criada e curtida entre o eu e o mundo, surge na infância, quando abrimos os braços para alguém que amamos e ele ou ela não nos recebe. Ou quando aquilo que fazemos espontaneamente vira pecado mortal porque alguém, a que demos demais importância, coloca-nos em situação de constrangimento. Quantos talentos estão sufocados dentro de armaduras... Somente mais tarde, no mundo adulto, virá à tona. A partir daí acontece a percepção das “traições e os desenganos”, de que fala o poeta. Então, encobrimos desesperadamente nossa verdade, tentando proteger a fresta de luz que, por algum descuido, escapa do coração,  com medo que alguém, por algum tipo de maldade, não a assopre. Acho que existem diversos tipos de armaduras. Do papel de arroz ao ferro.  Das necessárias em alguns momentos e a que gruda na alma para o resto da vida.  Mas, “Quanto maior é a armadura, mais frágil o ser que a habita”, diz Pe Fábio de Mello, e é verdade. Isso quer dizer que, mesmo de ferro, com o tempo ela se torna enferrujada e começa a ranger nossas dores. Fora o perigo do sufoco. Mas um dia ela cai, quando menos esperamos.
                    Existe um esplendoroso momento para isso acontecer:  aquele em que, ao encontrar e abraçar um amigo, deixo cair toda forma de autoproteção, porque sou recebida e reconhecida exatamente como sou, sem restrições nem preconceitos. No sentimento de confiança que acolhe e nutre. Posso brincar como criança, chorar a viuvez de muitas perdas, falar de tudo sem preocupação com julgamentos, mostrando-me inteira!  Nesse momento não estou vestida com nenhum tipo de armadura, mas apenas com um par de asas! E são tão poucos aqueles que podemos chamar de amigo irmão ou irmãomigo... Tais encontros como a flor da vitória régia, demoram tanto a acontecer...  Mas há que ter certeza que essa flor virá, ela ressurge sempre ao sol ou mesmo nas brumas de um dia enevoado. Virá com o calor da verdade, que funde qualquer armadura, por mais enferrujada que esteja, porque nesse acolhimento a luz do amor provoca renascimento e esperança!
              

2 comentários:

Eliane Accioly disse...

Querida poetaamiga,

gostei muito do texto, a gente se machuca muito se defendendo. Nossa doença muitas vezes são nossas defensividades. E é muitas vezes tão difícil deixá-las! Mas tentamos, não é?
Grande beijo

MJFortuna disse...

Maria do Céu por email:

EIMARIINHA!

Bemaventurada você, que me aparece nesta manhã com uma crônica que me levou aopassado, quando, também, assisti no Rio o Escuta Zé Ninguém.

Muitofeliz sua abordagem do tema sobre a couraça muscular do caráter.

Vemos/sentimos em nosso corpo o peso das restrições, das defesas que nós mesmos nosimpomos.... talvez para não sucumbir à vida e sua crueldade.

Comisso, perdemos de outro lado, porque nos berça o medo de sermos nós mesmos, denão sermos amados, de expor nossos avessos – ou ao pouquinho deles a que temosacesso.
Enfima condição humana, cheia de possibilidades espetaculares , nem sempre percebe oconfisco destas mesmas riquezas.
Felizmente,muitos conseguem dar voltas, flagrar e seguir caminhos alternativos que levamao desabrochar, à quase plenitude....
Quase porque, nos marca o “pecado original”, que não é pecado, e Deus não nos assinalouassim, como quer o mito do Gênesis.
Éantes sinal que a perfeição, a felicidade não fazem parte, o tempo inteiro, dacondição humana. A dor, o limite, o sofrimento são contingência que,inexoravelmente, carregamos. Atrelado a tudo isso o Desejo que teimoso nãodesiste, e que vez por outra rompe o cerco, para a Vida ou para a morte.

Beijopara você. Continue por perto.

Cecéu.

" Caminhar com esse tipode proteção não é fácil. Nada tem a ver com máscara, mas não deixa de ser umaforma dolorosamente dissimulada de ocupar espaço no mundo."

Quem sou eu

Minha foto
Sou alguem preocupado em crescer.

Arquivo do blog

Páginas

Postagens populares