Google+ Followers

quinta-feira, 10 de julho de 2014

A sala mágica com suas borboletas






                                                                                                                                                          Maria J Fortuna


Eram muitos os casulos que se alojavam nas paredes daquela sala. Todos os dias a moça de branco ia lá ver quais os que tinham se rompido, deixando livre mais uma borboleta. Então algumas casquinhas vazias voavam até cair, aos pedaços, no frio chão da sala onde ela atendia seus pacientes.  Parece que por causa daquelas lindas pequenas ninfas coloridas que a Natureza tingiu de amarelo e laranja,  e a presença da gata que gostava de parir na grande gaveta da escrivaninha, aquela sala era realmente abençoada! Ninguém dizia que se tratava de um cômodo de um posto de psiquiatria! Sem falar nas plantas que se vestiam com um verde magnífico, apesar dos poucos raios de sol das manhãs que penetravam, timidamente, pelo basculante, mas sem tocar em todas elas, nas plantas.  Ali estavam ali, decorativas, refrescando os casulos no calor do verão e mostrando presença solidária no inverno. Mas, invariavelmente, perfumavam a sala! Ninguém dizia que naquele local eram realizadas entrevistas onde seriam atendidos os pacientes com diagnósticos dos mais variáveis em psiquiatria.  Muitas vezes, o contato com aquele ambiente nascedouro de borboletas, folhas verdes e gatinhos, os acalmava.  Alguns chegavam a desembrulhar ali suas mágoas, buscando remédio para suas feridas em longos monólogos ou diálogos com a moça de branco. Debulhavam fantasias e viajavam em seus delírios, ou simplesmente ficavam em silêncio, sentindo os eflúvios do ambiente.
A gata malhada de cinza e branco que gostava de dar a luz ao filhotinhos na gaveta, ali ficava até que chegava a hora da mãe carrega-los na boca, transportando-os para um lugar desconhecido dos profissionais e pacientes do Posto.  Foram três crias em dois anos!
Muitos diziam que a moça de branco tinha pacto com bruxas e fadas; outros que o pacto era celestial: seres de luz visitavam a sala mágica, que atraia plantas, borboletas e gata prenha.
Um dia de inverno, a moça chegou à sala e havia uma mancha marrom saindo de dentro de um dos casulos incrustrados no tapume, próximo às plantas.  O líquido derramado brotava por uma pequena fenda na parte inferior do pequeno envoltório cinza.  A moça viu que em sua   extremidade, duas pequenas asas ensaiavam aparecer.  Então ficou ali, esperando o andamento do parto no desabrochar do momento.  Mas os minutos se passaram e nada do inseto emergir do casulo... O que teria acontecido?  E entre o atendimento a um cliente ou outro, ela deitava o olhar na parede branca onde estava o pequeno casulo,  como se quisesse aquece-lo com seu olhar preocupado. Talvez pudesse ajudar no parto  usando os dedos para libertar o serzinho que parecia ter arrefecido em suas forças na luta pela vida.  Mas tinha muito medo... Podia abrir o casulo sem que o inseto tivesse preparado para nascer. Fugia, outrossim, de vê-lo lá dentro,  com suas pernas longas encolhidas e as asas inertes,  murchas e molhadas no interior do recipiente que não cedeu ao rompimento da vida!   Lembrava-se de como os outros casulos de onde saíram  borboletas amarelas. Elas se contorciam no interior dos mesmos,  talvez dolorosamente, para romper a casaca,  mas de lá partiam,  com as asas úmidas após o período de pupa e que, depois daquele instante, milagrosamente voavam em direção as flores dos canteiros plantados pelos pacientes, que ficava  no jardim, em frente á sala de laborterapia. A partir dali,  era com o sol e o vento secar-lhes as asas. Mas aquela imóvel, de envoltório semiaberto, era diferente.   O que havia acontecido?
Num instante de reflexão sobre nascer e morrer, a moça sentiu que ali estava a representação viva do ganhar e do perder.  Do que é inevitável e do que pode ser superado. E imaginou quantas conquistas e derrotas lhe traziam o atendimento a seus pacientes chamados de “loucos”. Os anos que teria que passar diante da pouca possibilidade de recuperação, mesmo parcial, de uma maioria considerável deles. E de outros que não teriam nenhuma chance de consegui-lo.  O casulo duro, espesso, maldoso, simbolizava naquele momento, além da doença, o ambiente social daqueles cuja superação parecia impossível!    O casulo humano é fincado na parede do útero, dentro de um corpo, próximo ao coração,  e ali se alimenta porque nasce com fome de leite e de amor. Um deles só não basta. Teria que ser a comunhão dos dois, pensou. Quantos haviam nascido do amor?
Ali estava um ser que havia fabricado algo em volta de si  mesmo e que acabou se tornando seu próprio féretro. Teria que celebrar quando um daqueles homens e mulheres voasse, com suas  consciências, em direção ao sol! Para isso a metamorfose seria lenta e ela haveria de ter paciência... Não podia dar voz às suas frustrações.  Mas longos anos de profissão aguardavam a moça de branco para vivenciar o processo do seu próprio crescimento.  Mesmo assim era muito bom estar ali. Porque da dificuldade vem à esperança! Aquela borboleta não havia nascido, mas as demais voavam soltas, felizes!  Disseram sim à vida!
No final do expediente, a moça sentiu o silêncio no Posto de Psiquiatria. Ali estava ela diante do casulo que ainda mostrava as pontas das pequenas asas que não voariam. Retirou o mesmo da parede e respeitosamente arremessou-o pelo basculante em direção ao canteiro de flores rosas que circundava o prédio.  Apagou a luz da sala e saiu.

 


3 comentários:

MJFortuna disse...

Este testemunho tocou meu coração para sempre... Esta pessoa linda será sempre um exemplo de bondade, dedicação e amor para com todos que cruzam seu caminho.
Vejam o que me escreveu:

AMIGA,

Fiquei maravilhada com esta sua ultima cronica do Blog Arte e Artes Chegou na hora , para mim.

Lembro-me de vc, de guarda-pó branco naquela sala mágica. do posto de Psiquiatria. Lembro-me de mim, atendendo anos antes no mesmo lugar, vinte e poucos anos, quase criança e cheias de sonhos. Foi ali que ajudei a várias famílias a aceitarem este macabro distúrbio, para aprender a tratar de seus pais e mães com Alzheimer.

Eu falava para os outros, mas não conseguia ver meu PAI, meu HEROI, trocando as palavras, repetindo as mesmas piadas dezenas de vezes e se esquecendo de seu glorioso passado.... Talvez eu tenha sido naquela época aquela borboleta não nascida. Ali morreu a melhor parte de minha herança.

Agora meus filhos se vem diante da mesma situação. Alguns negam, outros desconhecem minhas fragilidades, outros simplesmente ficam estupefatos diante da mãe heroína, inteligente,sagaz e sábia, se debatendo na penumbra que lhe cobre as teias de seu cérebro gasto....

È preciso aprender a viver AGORA com esta minha nova realidade e continuar a amar-me incondicionalmente como amei e ainda amo meu PAI, sempre heroi apesar de tudo. Hoje preciso colher esta herança paterna com a mesma alegria que carrego meu nobre caráter e minha invencível e romântica capacidade de crer, oferendas que ele plantou em minha alma ainda semente. " COM DEUS NADA TEMO!COM DEUS HEI DE VENCER!"

Por isso , amiga, agradeço por ter alguém como vc dentro de minha seara e de ter meu pai herói esperando-me Deus sabe onde e quando. ACEITAREI E AGUARDAREI, AMANDO INCONDICIONALMENTE A TODOS OS SERES CRIADOS. Deus seja louvado!


sUBASMATU sARVA yAGATHAN!



MJFortuna disse...

Eis o que minha leitora fiél cujo pseudônimo é Paradiso, escreveu sobre os meus últimos textos:

"Vamos por partes, já que você esteve tão inspirada e prolífera nestes últimos tempos.
Bom que seja assim: vale-se de suas memórias, de sua sensibilidade, de sua imaginação criadora para criar para seus leitores um mundo mais suportável, mais bonito. O lado social da literatura.
Por sua vez, ao escrever, você também contempla seu lado pessoal. De maneira saudável ocupa o tempo, e de quebra, deixa escapar um pouco de suas angústias...
A trilogia da DENTADURA DO JOAQUIM é ótima. Imagino que inspirada em seu trabalho no Júlia e no Imaculada Conceição daqui de BH.
A história é uma delícia e, eu que também fui ( ou ainda sou? Assistente Social) me transportei para a realidade descrita.
“Vi” se posso dizer assim, até mesmo o seu Joaquim conversando com a DOMARIA. È assim para nós – que nos ocupamos dessa nosso público tão sofrido...
O desfecho é muito engraçado e surpreendente. Sabe de uma coisa, amiga: tenho comigo que “fazer” rir é uma arte muito mais difícil que “fazer chorar”.
A Borboletinha que não sobreviveu, apesar da aflição e da torcida da “moça de avental branco” – você mesma ou seu alter-ego- , nos fala da tragédia que é o nascer e o morrer. E lembra nossa impotência frente a quase tudo na vida, especialmente em situações limite. Intervir, ou não? Shakespeare voltando com sua dúvida... o ser ou não ser... Também nos lembra que o crescimento pessoal e´obra de cada um . Pessoal e intransferível! Trágico, mas simples assim! "



Obrigada por tudo. E continue dando asas à sua imaginação, usando seu tempo de maneira produtiva , desenhando, escrevendo e encantando a todos nós, seus admiradores, com quem, generosamente, partilha suas histórias.

MJFortuna disse...


Lucelita Mariapublicou em‎Maria J Fortuna

10 de julho próximo a Palmas
.

Olá Maria J Fortuna! Li sua crônica "Ninguém avisou", no Blog...Gostei muito! Abço!

Quem sou eu

Minha foto
Sou alguem preocupado em crescer.

Arquivo do blog

Páginas

Postagens populares