Google+ Followers

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Como assim, Eurodisney?



Maria J Fortuna

O convite apareceu de supetão: - Mãe, você quer ir à Eurodisney? Convite meio que fora do roteiro de viagem... Lembrei-me de Ariano Suassuna que detesta Mickey. Não sabe por que tanta gente se empolga para ver um rato. Mesmo admirando muito o nacionalismo do velho mestre, topei! Já que estávamos em Paris, que é um caso à parte...
Confesso que aquele desvio nos propósitos culturais da viagem foi um toque de despertar, como se uma varinha mágica tocasse minha memória adormecida dos fatos da infância. Lembrei-me daquela foto que tanto havia me despertado admiração e inveja, quando eu tinha meus quatro anos: uma prima mais velha com o Mickey, do seu tamanho, numa das ruas do Rio de Janeiro. Eu perguntava a minha tia: - Mas ela encontrou com Mickey mesmo? E a tia não só afirmava, como fantasiava em cima, causando-me um desejo enorme de ir para aquele lugar mágico , encontrá-lo também. Quer ver que é por isso que lá é cidade maravilhosa, pensava eu.
Então fomos nós: eu, minha prima da minha idade, com fibromialgia sem crise, e a filha que me propôs o passeio. Eu iria desde que não participasse daqueles brinquedos malucos, que acabam com o coração de uma sexagenária.
Centenas de crianças, em sua maioria loirinhas e japonesas, desfilavam com seus pais pelas ruas estreitas da cidade encantada. Havia pequenas filas para que a gente participasse dos brinquedos. E olha, fiquei maluca com a gruta de Peter Pan, onde parecia que estávamos voando num céu muito estrelado, e a gente ouvia uma música muito suave... A casa da Branca de Neve e, principalmente, a gruta dos Piratas do Caribe, onde o carrinho em que estávamos despencou lá de cima e caiu n´água! Comprei uma foto bizarra da gente gritando, com olhos esbugalhados de susto, batida exatamente no momento da queda. Puxa, a foto foi bem salgada no preço, mas até o fim dos meus dias vou rir daquelas caras, que na verdade são coroas. Valeu a pena...
Rodamos numa xícara gigante, navegamos numa embarcação que nos permitia ver figuras do mundo Disney às margens do rio e passeamos de carrossel. E, pasmem, procurei por Mickey, o rato sem graça de Suassuna, por todos os lados, porque queria tirar uma foto com ele. Acabei encontrando o Pateta que, como Jô Soares, sempre me despertou a seguinte questão: Por que Pluto, sendo tão cachorro quanto Pateta, não se veste como ele? Lá estava a figura do cachorrão autografando e pousando com crianças e adultos. Então tiramos a foto.
O ponto alto do passeio foi assistir ao desfile dos personagens. Ah! Que coisa mais linda! Todos eles estão ainda vivos no meu imaginário infantil: Cinderela, Branca de Neve, Peter Pan, Os três porquinhos, o gato do sorriso de Alice, etc. Um suspiro vindo lá do coração provocou-me o surgimento de algumas lágrimas que eu, bem escondidinha na multidão, limpava, rapidamente, com a costa das mãos, para não perder o desfile...

Um comentário:

norália disse...

Que delícia que acabei de ler: Mariinha emocionada ao voltar a ser criança num parque em Paris... amiga, não há como deixar de não vibrar numa Disney... Não há... Eu vibrei com esta bela crônica de hoje...
Parabéns. Felcidades.
Norália

Quem sou eu

Minha foto
Sou alguem preocupado em crescer.

Arquivo do blog

Páginas

Postagens populares