Google+ Followers

sexta-feira, 30 de abril de 2010

A estranheza dos primeiros anos...


Maria J Fortuna
G.Klin
O adolescer é um período de muita estranheza entre os jovens. As transformações corporais, o ganho em hormônios, o desejo de viver em grupo, a cobrança da sociedade, são fenômenos universais. Mas quem disse que com a chegada da terceira idade, este sentimento de estranheza não se repete? Há uma indiscutível semelhança entre uma e outra etapa da vida, no que concerne às transformações biológicas e sociais. Nas duas vivências, medo, insegurança e enfrentamento com o desconhecido, estão presentes numa e noutra etapa. Nas duas, há perdas e ganhos. Mas enquanto, interiormente, a sutileza é grande, no exterior a coisa se manifesta de uma forma abrupta e não há quem não veja!No adolescer, o espírito da infância ainda está muito presente. Com isto há uma que indefinição, que é observada, por alguns, em relação à pessoa que se inicia na chamada “melhor idade”. São raras as que observam o que se passa... Só quando a pessoa for agente da situação. Mas de repente, numa determinada atitude, olhe aí o transparecer do espírito da juventude, que se nega a arredar o pé. Como no caso de uma conhecida minha que, aos 61 anos, no final do seu casamento de 30, esbraveja:- Agora vou partir pra outra! Vou namorar o primeiro que aparecer!E vem a pergunta relâmpago da neta de quinze anos, que observa tudo:- Que coisa estranha a vó tá falando aí, mãe? Eu hem?É a velha paixão atemporal que ataca, quando menos se espera, gente de qualquer idade. Mais comum nos primeiros cinco anos do sexagenário. Há um clima de perplexidade e, para muitos, de não aceitação, como no caso da minha amiga. Igualzinho à adolescente que não quer crescer... Realmente a pessoa não se dá conta, tão rapidamente, de algo tão novo em sua vida. O normal é protestar: este não é meu corpo, porque não corresponde ao que sinto.Bobagem ficar enaltecendo a mocidade para o adolescente e a velhice para a pessoa madura. Nas duas, além de inevitáveis, o mesmo sentimento de estranheza habita os dois corpos.

4 comentários:

Eliane Accioly disse...

vejo as semelhanças que você aponta entre os dois momentos da vida _ mudanças corporais e outra infindas.

Minha neta de 16 anos contou de uma professora que ela considera uma mulher linda _ que não está ainda "na melhor idade", mas entre 40 e 50 anos, Analú diz que a vê "sem idade"; pois bem, a professora diz pra meninada que é preciso saber envelhecer. E diz que ela gosta de todas as marcas que tem no rosto.
Fiquei feliz com a sensibilidade de minha neta.

Saudades de você e grande bj!

MJFortuna disse...

Um comentário masculino muito bem vindo do meu amigo Waldyr Thiessen, por email:

Oi Mariinha,
Adorei o texto.
Encaminhei também para o pessoal da Turma.Ok?
Abraços
Waldyr

MJFortuna disse...

Maria do Céu, por email:

Mariinha,
é isso mesmo que acontece conosco. Diferente do adolescer, quando se faz outono em nossas vidas , de um certo modo, a gente não pode contar mais com " o tempo todo do mundo", dar de ombros para as coisas porque, jovens temos a certeza que o impossível acontece.....
É mais de meio dia em nossas vidas, e o crepúsculo não tarda.
Contudo, não fiquemos tristes porque milagres - alegria- e até impossíveis podem riscar o céu... e cair em nossos braços....
PS: Só não gosto do que inventaram dizer: MELHOR IDADE! Isso não existe, embora possa ser vivida por muitos neste tempo de outono...
Parabéns pela crônica sábia e oportuna. Céu

Fragmentos disse...

Maria,
sabe que nunca havia pensado nesta semelhança? Voce me fez ver este novo lado, pois lendo seu texto fui me dando conta.... Muito obrigada! Beijos, rosane

Quem sou eu

Minha foto
Sou alguem preocupado em crescer.

Arquivo do blog

Páginas

Postagens populares