Google+ Followers

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

Sedenta de deserto

  Maria J Fortuna
Confesso que estou cansada de assistir a noticiários. Prefiro ler o jornal que tenho em casa por assinatura. Pelo menos as notícias de assaltos, mortes e roubos, não ficam me assombrando o dia inteiro, como se eu fosse mais que culpada do que está acontecendo no Brasil e no mundo. Doe na alma saber das guerras que destroçam o ser humano em sua dignidade. Que deixa órfãs tantas crianças num massacre inteiramente irracional! A disputa por territórios, que na realidade não são de ninguém, mas de todos deste planeta sofrido, que ameaça deixar a gente com fome e com sede, à medida que o agredimos com o desrespeito à própria vida. A tola sede de poder que nos leva à miséria humana. Estou cansada das milenares guerras santas, que nada tem a ver com Amor e Paz. Massacres históricos em nome do deus vingativo do “olho por olho, dente por dente”.
As noticias do jornal não fazem barulho externo e posso escolher se quero ou não me inteirar delas. Melhor ler uma boa crônica, como a do Veríssimo, por exemplo, de quem já digeriu a notícia e passa para o leitor em forma de um bom comentário. Ou saber dos espetáculos que estão por aí nos cinemas ou teatros da cidade. Bom assim. Podemos ir à cata de poesia, que certamente não mora dentro desses noticiários ou buscá-la em exposições de arte. Tem muita poesia nas paisagens dos parques e praias do Rio de Janeiro. Além das palestras e seminários interessantes sobre diversos assuntos, que estão sempre acontecendo por ai nos Centros Culturais, museus e outros locais. Bom para descansar a alma.
Outra forma de repousar interessante, que podemos propor a nós mesmos é um mergulho em nosso  deserto interior. Não é sem batalha que conseguimos isso. Mas quando conseguimos, esse hábito restaura-nos de uma forma incomparável! Fechando os olhos, numa postura adequada, estamos prontos para o mergulho. Apenas prestar atenção no respirar e nas batidas do coração. Só isso.
Jean Yves Leloup fala-nos desse momento prazeroso quando entramos no deserto de nós mesmos: “É uma espera que não guarda, mas uma espera não fechada àquilo que vem.”. Complementando as palavras de Leloup, lembro-me de Antoine Saint Exúpèrry com seu Pequeno Príncipe, que diz que “o que torna o deserto belo é porque esconde um poço que ninguém vê”... É o que importa.

2 comentários:

Guacira Maciel disse...

Olá, bom dia cara companheira da REBRA.

Gostei da sua crônica, também não sou muito adepta dos telejornais.Porém, sem dúvida não é fácil extrair um bom texto do que eu chamaria nosso oásis interior...seria como ir buscar água fresca num terrenos arrodeado de areias quentes e inférteis.
Beijo.
Guacira

Guacira Maciel disse...

Bom dia, cara companheira da Rebra.

Gostei do seu texto, também não sou adépta dos telejornais. Porém, ácho tudo menos doloroso se tenho a possibilidade de ignorá-los por ter um oásis interior, donde posso extrair beleza, ainda que não seja fácil algumas vezes...
Abraço fraterno,
Guacira

Quem sou eu

Minha foto
Sou alguem preocupado em crescer.

Arquivo do blog

Páginas

Postagens populares